Férias Com Os Filhos Ou “Férias” Com Os Filhos?

Férias Com Os Filhos Ou “Férias” Com Os Filhos?
férias com os filhos

Os momentos de férias com os filhos são sempre muito desejados por todos nós: descanso, tempo de qualidade juntos, jogos, mergulhos e descanso… ou não. É sabido que quando chega a altura das férias, estar 24/24h todos juntos com as crianças pode ser bastante intenso e cansativo.

Há algumas semanas fui de férias com o meu marido e filhos para um local estilo resort, vocacionado para famílias. Dada a minha área profissional (e a mega proximidade entre as espreguiçadeiras!), foi impossível alhear-me completamente e dei por mim a observar várias dinâmicas familiares e vi muitos pais super stressados – e em alguns momentos, eu fui um deles.

É que nem sempre o tempo de férias com os filhos corresponde à expectativa idílica de ficarmos estendidos ao sol, ler livros inteiros, beber cocktails deliciosos (às vezes dão-te versões frozen de máquina?), dormir imenso, comer descansada à mesa… Não. Falo por mim, mesmo sabendo tudo o que já sei, não evitei de criar aquela expectativazinha de fundo. Depois, o que houve na realidade foi “quero água”, “tenho cócó”, “tenho fome” (acabados de sair do buffet), “tenho cócó”, “tenho frio”, “ela não me dá a pistola”, “ele não me dá a bóia”, “quero levar este brinquedo super caro e cheio de mil peças para a piscina”, “mãe.. tenho cócó” …

Estava eu para aí no terceiro dia, e a começar a ganhar irritação crescente por ainda não ter conseguido ler mais do que duas páginas de seguida do meu livro, o meu marido a ter que resolver assuntos do escritório por telefone, os meus filhos a implicar um com o outro por tudo e por nada, o mais velho cheio de atitudes que eu só conseguia classificar como ingratas…

Estávamos num sítio totalmente orientado para crianças – shows infantis, jatos de água, piscinas infantis, parque, insufláveis, clube de atividades, praia a 100 metros – obviamente cansados de tanto estímulo e informação nova, as crianças estavam a apresentar comportamentos desafiantes, claro … ou seja, eu já estava a deitar o resort pelas orelhas e dei por mim a desejar que chegasse o fim das férias. Foi um pensamento que me calhou mal porque, raios, levei meses a desejar aqueles dias!!

Mesmo por esses dias saiu o episódio 104 do podcast Inspiração Para Uma Vida Mágica, do Pedro Vieira e da Mikaela Öven. O episódio chama-se “Que cara queres fazer nas férias?” (podes ouvir aqui), e veio a calhar porque eu poderia bem naquela altura melhorar as caras que andava a fazer.

Então nessa noite, depois de os miúdos caírem na cama, ouvi o podcast e fiquei na mini varanda com vista para a piscina barulhenta, sentada, frustrada comigo própria, e a refletir profundamente sobre que cara queria fazer no resto dos dias.

E o resto das férias foram perfeitas na sua imperfeição.

De resto, não é preciso ir para piscinas, hotéis e praias, para dar em louco com os filhos em tempo de férias. Tenho tido o privilégio de passar praticamente o Agosto inteiro com os meus filhotes… e não é fácil. Interações entre eles, a casa para cuidar, agora têm fome, agora andam à batatada, agora discutem por causa dos desenhos animados que querem ver, agora derramaram toda a sopa, agora querem pintar aguarelas.

Eles estão de férias e eu estou ao serviço deles, e ainda a tentar jogar uma mão ao e-mail, uma mão à cozinha, um olho às solicitações familiares, a casa, e eu própria. Eu própria.

Sei que não serei a única.

Cá em casa uns dias são melhores e outros piores, sem pretensões de perfeição. Tem dias que o sol me inspira, tenho energia para fazer tudo com eles, estou cheia de ideias, eles colaboram, e é tudo o máximo. Sou grata pela minha sorte, que privilégio o nosso.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é giphy-2.gif

Outros dias nada me anima, tudo me irrita, eles fazem imenso barulho e não querem comer nada do que lhes apresento. Só quero estar sozinha para fazer exatamente NADA. As horas parecem infinitas até que o pai chegue do trabalho e alimento um secreto desejo de trocar com ele e enfrentar desafios empresariais, telefonemas, reuniões, relatórios e prazos…

Penso na escola que nunca mais começa e fico zangada comigo própria, porque sei que a vida passa muito rápido e quantas saudades vou eu ter deste verão. Recrimino-me o menos que consigo, sabendo que todas as emoções são válidas e que é tudo bem me sentir assim. Eu não amo menos os meus filhos por ter esses pensamentos.

Ser mãe é duro e intenso. Está tudo bem.

“O Verão vai acabar em breve, assim como a infância.”

George R. R. Martin

(Setembro de 2019)

Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments